Categoria: Magia

    Rituais de Magia

    No Comments
    Rituais Mágicos

    Rituais MágicosUm ritual de magia é um conjunto de atividades seqüenciais com uso de objetos e instrumentos com objetivo de concretizar encantamentos mágicos. De um modo geral, é realizado por um mago ou sacerdote, mas pode envolver a presença de outras pessoas, por exemplo, aquelas para as quais o pedido está sendo feito no ritual ou auxiliares do mago.

    O mago pode utilizar objetos e instrumentos, realizar movimentos corporais para dinamizar energias. Pode utilizar sons ou musicas com efeitos mântricos de inspiração, concentração e elevação espiritual. Pode recitar encantamentos que aumentem o poder do ritual.

    Quase sempre ocorrem em locais específicos, apropriados para o tipo de ritual que esta sendo efetivado, e podem levar de 1 a 2 horas.

    Os locais para rituais se encontram na Natureza, em pontos de energia que representem os 4 elementos: água, terra, fogo e ar. Por exemplo, no mar, rio, montanha, vale, floresta,

    Os sacerdotes das Tradições de Origem Africana, tais como a Umbanda e o Candomblé utilizam com freqüência os rituais mágicos para atingirem seus objetivos e dos seus fiéis.

    Fonte

    1. Dedopulos, TIM. Livro dos magos: de Merlin a Harry Potter. Trad. De Marcelo Bastos. São Paulo: Larrouse do Brasil, 2003.

    Encantamentos Mágicos

    No Comments
    Encantamentos Mágicos

    Encantamentos MágicosEncantamento mágico é um conjunto de palavras e/ou gestos e ações, em geral, recitados pelo mago, com objetivo de canalizar o poder mágico. Podem ser curtos com uma única silaba ou longos e repetitivos, podendo levar dias para serem recitados. Podem aparecer no idioma do mago ou em línguas mortas ou estranhas. Em geral, são recitadas em um ritmo e entonação que podem ser impressionantes para eventuais expectadores.

    O objetivo de um encantamento é dar forma aos desejos do mago, saindo do plano da energia para o plano real, da matéria. Os sons emitidos em um encantamento com ritmo e entonação específicos criam uma sintonia entre o desejo do mago e as forças do universo, levando ao resultado desejado. Alguns magos utilizam uma varinha ou cajado para lançarem o encantamento.

    Também podem ser utilizados objetos e ferramentas, algumas vezes, organizados de uma forma específica, que ajudam o mago a atingir seus objetivos. Os objetos e ferramentas mais comuns são altares, cálices, velas, objetos cortantes como facas, espadas, adagas, ervas especiais, entre outros. É comum haver objetos que representem os quatro elementos da natureza: água, terra, fogo e ar.

    A indumentária ou vestimenta do mago também é importante, costuma ser preparada especialmente para uso em encantamentos e rituais de magia.

    Fonte

    Dedopulos, TIM. Livro dos magos:de Merlin a Harry Potter. Trad. De Marcelo Bastos. São Paulo: Larrouse do Brasil, 2003.

    O caminho do Mago

    No Comments
    O mago e a coruja

    O mago e a corujaSurgiu das mesmas idéias das quais surgiram as religiões: o poder destrutivo do fogo, os eventos climáticos incontroláveis e devastadores ou a sorte na pesca e nas caçadas, que geravam nos homens da mais longínqua Antiguidade o fascínio de controlar as forças da natureza. Mesmo no âmbito da magia, somente alguns indivíduos especiais têm potencial para dominar estas forças. Tornar-se um mago não é algo trivial: exige força de vontade, entusiasmo, persistência, inteligência e fé inabalável.

    Os magos da ficção em geral têm o poder inato, ou seja, já nascem com a essência da magia, tal como Harry Potter e Gandalf, do Senhor dos Anéis, ate que em determinado momento de suas vidas, o poder irrompe de forma descontrolada e os personagens vão aprendendo a dominar estes poderes, tornando-se magos efetivos.

    Há o estereótipo do mago velho e rabugento que veste um manto e chapéu pontudo, mas a verdadeiro modo de ser de um mago vai muito além das aparências e estereótipos.

    Fonte

    1. Dedopulos, TIM. Livro dos magos: de Merlin a Harry Potter. Trad. De Marcelo Bastos. São Paulo: Larrouse do Brasil, 2003.