Categoria: Personalidades

    A vida de um Sannyasin

    No Comments
    vida_sannyasin

    Quando um indivíduo decide tornar-se um Sannyasin, é como se ele nascesse novamente. Ele rompe com o seu passado e se coloca à disposição da Existência ou de um Mestre para ser conduzido a um novo caminho, que privilegia a evolução em busca da pureza de sua essência. Read More

    Sânnyas de Osho

    No Comments
    osho_satsang_bencao

    Para o Mestre Iluminado Osho, o termo Sannyas tem um significado um pouco diferente daquele  utilizado no Hinduísmo. O Sannyas de Osho é uma iniciação do indivíduo nos caminhos da espiritualidade, em busca do seu próprio ser, enquanto o Sannyas do Hinduísmo é a atitude daquele que renuncia ao mundo, tornando-se um peregrino em busca da Verdade. Enquanto o Sannyasin Hindu se afasta do mundo, o Sannyasin de Osho permanece no mundo sem se identificar com ele. Read More

    Osho, um mestre iluminado

    No Comments
    Osho tomando chá

    Osho é um mestre iluminado contemporâneo que nasceu na India, formou-se filósofo, foi professor universitário em Filosofia na universidade de Puna, na Índia, quando passou a difundir seus conhecimentos, experiências e vivências para todo o mundo no âmbito das religiões comparadas. Osho tem mais de 400 livros publicados com transcrições de suas palestras por todo o mundo, que tratam dos mais variados assuntos. Read More

    Baba Yaga, a bruxa do pilão

    No Comments
    Baba Yaga voando no seu pilão

    Baba Yaga voando no seu pilãoBaba Yaga é uma feiticeira, um personagem fictício dos contos do folclore russo, definida como uma mulher velha e ossuda, que voa montada sobre um pilão. Vai apagando os vestígios dos rastros que cria com uma vassoura, mas não voa nesta!

    Ela também é conhecida em russo como Baba Yaga Kostianaya Noga, porque, mesmo com um apetite feroz, ela é magra como um esqueleto. Em alguns contos, ela tem duas irmãs mais velhas, que são também chamadas de Baba Yaga, apenas para confundi-lo! Seu nariz é tão longo que encosta no telhado de sua cabana quando ela ronca.

    Sempre que ela aparece, a ventania começa a soprar, as árvores próximas rangem e gemem. Gritos, gemidos e uma série de espíritos a acompanham em suas aventuras.

    Baba Yaga mora nas profundezas da floresta, em uma cabana que parece ter personalidade própria e pode mover-se sobre as patas de um frango gigante. Normalmente a cabana gira em espiral movendo-se pela floresta ou fica em repouso para receber visitas.Casa de Baba Yaga com pés de galinha

    A cabana é envolvida por uma cerca feita de ossos, para manter fora os intrusos! O muro é coberto com crânios em chamas que iluminam a escuridão. As janelas da cabana parecem servir de olhos para a Baba.

    Baba Yaga tem servos fiéis, que são o Cavaleiro Branco, o Cavaleiro Vermelho e o Cavaleiro Negro. Entre seus outros agentes, estão três fantasmas e um ameaçador par de mãos!

    Originalmente, a bruxa Baba Yaga ajudava os puros de coração, devora va os impuros e era concebida como uma entidade do bem, mas com o passar do tempo foram lhe atribuindo um caráter sinistro.

    Veja o desenho animado adaptado para nossa época no YouTube: http://www.youtube.com/watch?v=2KdYEHsXk1k&feature=related.

    Fonte:

    1. Bilibin, Ivan. Baba Yaga. Disponível em: http://www.oldrussia.net/baba.html. Acesso em 24 jul. 2010.

    2. Dedopulos, TIM. Livro dos magos: de Merlin a Harry Potter. Trad. De Marcelo Bastos. São Paulo: Larrouse do Brasil, 2003.

    3. Isaac Bashevis Singer, Stories for Children, Joseph & Koza, pag. 146-151, Farrar, Straus and Giroux, 1991

    4. Shchipak, Maryna . Baba Yaga. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=2KdYEHsXk1k&feature=related. Acesso em: 25 jul. 2010.

    As Quatro Nobres Verdades de Buda

    No Comments
    buda_ouro

    buda_ouroEm seus estudos sobre a natureza do sofrimento, Buda instituiu o que ele chamou de “As quatro nobres verdades”:

    • a verdade do sofrimento: o sofrimento existe;
    • a verdade da origem do sofrimento: o sofrimento tem causa;
    • a verdade da cessação do sofrimento: há como acabar com o sofrimento;
    • a verdade do Caminho: existe um caminho para alcançar a liberdade;

    Buda percebeu que a vida dos seres é cercada pelo sofrimento, mas que existem formas de se superá-los. Ele percebeu ainda que quase sempre o sofrimento advém do desejo, da expectativa, e que o desejo surge pela distorção da natureza das coisas e, principalmente, pela distorção da natureza do eu ou do ego.

    Segundo Buda, o sofrimento acaba quando a causa deste sofrimento cessa, e esta causa quase sempre está vinculada ao desejo ou à ignorância.

    Quando o processo que gera o sofrimento é revertido, quando cessa-se a causa do sofrimento, chega-se ao Nirvana, que é o fim do desejo e da ignorância.

    Livros - Submarino.com.br

    A vida de Buda

    No Comments
    buda_sidarta_gautama_arvore_bodhi

    buda_sidarta_gautama_arvore_bodhiSidarta Gautama, também conhecido como Shakyamuni ou “Sábio do Clã Shakya”, nasceu no Himalaia,  em Lumbini, sul do Nepal, em 566 a.C. e morreu aos 80 anos, em 486 a.C., embora haja controvérsias quanto a estas datas, pois alguns budistas do sudoeste asiático adotam de 623 a 543 a.C..

    Sidarta era filho de um rajá que integrava o império Shakya, tendo passado a maior parte de sua vida na bacia central do Ganges, próximo a Vananasi, Patna e Vaishali. Foi criado no palácio de seu pai, o rei Suddhodana, e casou-se com a princesa Yashodhara, que lhe deu um filho, Rahula.

    Até os 30 anos, Sidarta nunca havia saído do palácio, o que instigou sua curiosidade. Ao atravessar os muros, viu em um parque 3 cenas que lhe mostraram a realidade da vida, a qual desconhecia completamente: um homem velho, um doente e um morto. Ao continuar sua caminhada, ele se depara com um asceta errante (shramana) , uma espécie de mendigo, desapegado dos bens materiais e, admirado com esta atitude do asceta, decide seguir seu exemplo, tornando-se um andarilho. Seu pai tenta convencê-lo, em vão, a não abandonar o palácio e a vida de príncipe, mas Sidarta reununcia ao título para assumir sua nova vida de andarilho. Este evento fica conhecido como “Pravrajya”, que significa “ir em frente”, e é realizado nas comunidades budistas toda vez que alguém opta pela vida de monge ou monja.

    Os primeiros estágios da renúncia de Sidarta Gautama foram marcados por persistentes jejuns e abstinências que quase o levaram à morte. Assim, passou a aceitar alimentos de doadores. Com isto, seu caminho passou a ser conhecido como o “caminho do meio”, evitando atitudes extremas tais como a autoflagelação e jejum absoluto.

    Fonte: Coogan, Michael D. Religiões. São Paulo: Publifolha, 2007.